O Patrono

 

José Henrique Girao

Vida e Obra
José Henrique Girao, filho de Felipe Henrique Girao e Maria Amélia de Siqueira Girao, nasceu em 14 de dezembro de 1901, no Bairro do Espinheiro, na cidade de Recife, Estado de Pernambuco. O pai era professor e o menino fez os seus primeiros estudos na cidade onde nasceu, no Bairro da Torre, aos cuidados do Professor Antônio de Lima. Em 1912, aos onze anos de idade, órfao de seus pais, foi entregue a tutoria do Professor Sebastiao de Siqueira Cavalcanti, diretor do Instituto Sao Sebastiao, na cidade de Palmares. Aí permaneceu por sete anos e completou o entao denominado Curso Superior. Dentre os seus mestres, destacam-se o Bispo Dom José Pereira Alves, da cidade de Palmares, de quem recebeu os ensinamentos de Literatura e Ciencias e o Professor Gerôncio Borba, latinista e filólogo dos melhores no seu tempo.

Em 1918, aos dezessete anos portanto, e por morte de seu tutor e mestre, deixou o internato do Instituto e seguiu para a cidade de Recife, onde começou a trabalhar. Transferiu-se, em 1921, para a cidade do Rio de Janeiro, onde trabalhou em várias firmas e, entre suas atividades principais, fez parte da equipe do repórter Martins Capistrano, do Jornal do Brasil, filho do escritor cearense Capistrano de Abreu.
Casou-se em 1927, na cidade de Niterói, com a professora Heloisa de Miranda Freitas da Fonseca e tiveram cinco filhos: Luiz Fernando, médico; Vera Maria, professora; Iolanda Maria, professora e poeta; Maria Amélia e Paulo, falecidos aos primeiros anos de vida.
Em Niterói, colaborou com poemas e crônicas para o jornal 'O Fluminense'. Na cidade de Caxias, RJ, colaborou, também, no jornal 'A Cidade' e outros órgaos da imprensa local.

Em 1965, e viúvo já a alguns anos de sua primeira esposa, casou com Herondina de Figueiredo, na cidade do Rio de Janeiro. Mudou-se com a segunda esposa, em 1968, para o Estado de Santa Catarina, primeiramente para a cidade de Blumenau, onde colaborou com poemas no jornal Cidade de Blumenau, hoje Jornal de Santa Catarina, sob as vistas do homem de letras Professor e Historiador José Ferreira da Silva, da Academia Catarinense de Letras e que tanto o honrou com sua apreciaçao.

Em 1975, fixaram residencia em Criciúma, onde continuou a publicar poemas e versos no jornal 'Correio do Sudeste'. Extremamente religioso, José Henrique Girao foi membro atuante da Igreja Presbiteriana de Criciúma, onde costumava pregar nos Cultos Religiosos e, ainda, colaborava com a Escola Dominical da Igreja. Faleceu em 09 de maio de 1997, em Criciúma, Estado de Santa Catarina.
Livros publicados
* Cançao da vida, em 1982, com poemas publicados em jornais.
* Renascer, em 1984.
* Reflexoes sobre a vida, em 1986, com poemas.

Em 14 de novembro de 1997, José Henrique Girao foi homenageado como Patrono da Academia Criciumense de Letras, na data de sua instalaçao. E, a 14 de novembro de 2007, no décimo aniversário da Academia Criciumense de Letras, o poeta foi homenageado com a publicaçao do livro Obra Poética, reuniao de seus tres livros publicados no qual foram acrescentados vinte e um poemas como Inéditos e esparsos.